Musica do Dia

Translate

quinta-feira, 28 de novembro de 2013


                             A Natureza do pecado como revelado no Éden


O termo pecar no Antigo Testamento O homem foi criado à imagem de Deus, com dupla natureza (física e espiritual), livre e sem pecado. Isso quer dizer, de um lado, que o homem estava livre em seu querer e agir. Não fosse assim, o homem não seria moralmente livre e responsável.
A liberdade moral deve ser testada pela experiência, oferecendo-se oportunidades para que o homem possa passar por elas.  Os seres que possuem a Sua imagem devem ter sob a direção dEle o privilégio da prova e do desenvolvimento moral. Agindo sob esta necessidade, Deus deu ao homem uma lei positiva sob a forma de proibição:
 "Não comerás". Percebe-se logo que o pecado tem a ver com a vontade do homem em relação à vontade de Deus e, por conseguinte, com seus mandamentos. O mandamento positivo de Deus - "Restrição" - está diante do homem. O homem é livre em suas ações e escolhas. Ele pode escolher entre obedecer e desobedecer. Mas a desobediência na escolha implicará sua vontade contra a de Deus. Isso significa tornar-se o homem o seu próprio centro, arvorando-se em árbitro tanto de sua compreensão, desejos, vontade, como das suas próprias ações resultantes, quando isto pertence a Deus. O homem poderia ter sentido a força da tentação sem ter cedido a ela. E isto traria desenvolvimento ao seu caráter.
A verdade sobre o pecado (Gn.3:1-5):
a. A serpente (usada pelo diabo) induziu a Eva com as seguintes perguntas:
 "Por que você está deixando que Deus a reprima?"
b. "Não sabe que poderia atuar por conta própria, e que seria justamente como Deus, capaz de dirigir sua própria vida?"
A princípio, a serpente não tentou conseguir que Adão e Eva odiassem ou rejeitassem a Deus por completo, mas simplesmente, que saíssem da dependência total dEle, e "tivessem o seu próprio negócio". E eles caíram na armadilha, acreditaram na serpente ao dizer-lhes ela que talvez Deus não estivesse sendo justo com eles, e sim, tentando atrasá-los, e que deviam reivindicar seus direitos. Declararam, pois, sua independência comendo da"árvore do conhecimento do bem e do mal" (Gn.3:6,7)
Pensaram que seriam operadores independentes, mas, por haverem substimado sua situação, seu sonho foi rude- mente destruído (Gn.3:7). Pensaram lançar mão da neutralidade, para que pudessem "fazer o que quisessem", mas ao voltar as costas para Deus, imediatamente foram reivindicados por satanás, a quem tinham escolhido obedecer.
Ao tentar a Eva e a Adão, a serpente apelou para sua natureza física; "O fruto era bom para se comer"; -  Apelou para as suas emoções: "era agradável aos olhos"; - e fez o apelo estético, para sua vontade: "desejável para dar entendimento" e para o seu intelecto, "Como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal". Desta forma, ela tentou-lhes a alma e o corpo (I Jo 2:16)
Entretanto, a serpente ainda não tinha experimentado tentá-los espiritualmente, isto é, havia conservado a sua identidade em segredo e não procurava fazer com que eles se comprometessem com ela pessoalmente, adorando-a como Deus.  Este teria sido seu próximo passo: invadir e dominar o espírito do homem. Então a humanidade estaria irrevogavelmente em seu poder, não só corpo e a alma, mas também o espírito, totalmente possuídos.
Ao fazer isto, é claro, Deus não somente trancou fora o inimigo, mas trancou-se a si mesmo também. Os seres humanos não estavam abertos a nenhum relacionamento espiritual, fosse ele bom ou mal. Seu espírito escureceu-se, tornando-se inútil e sem sentido (Gn.3:24)
O próprio Deus não pode chegar à raça humana mediante a porta espiritual, porque ele mesmo a fechou para a proteção do homem. Antes que ela possa ser reaberta, algo deve ser feito a fim de proteger os seres humanos das forças do mal que os cercam.
Qual era a condição dos seres humanos depois de quebrada a comunhão com Deus? Não tinham referência espiritual. Isto significa que estavam perdidos? Se a pessoa não sabe quem é, ou para onde vai, ela esta perdida. Ao perder o contato com Deus, a raça humana tornou-se como um avião que não tem contato com a torre e, logo, as pessoas começam a chocar-se umas com as outras. As pessoas rapidamente se esqueceram de Deus, o que facilitou ao inimigo força-las a segui-lo. Os homens estavam fechados espiritualmente ao inimigo, mas ele esperava entrar mediante seus corpos e alma, por meio das coisas que ele os fizesse realizar, pensar, sentir e querer, e assim alcançar-lhe o espírito por essa direção.
Não conseguindo que as pessoas o adorem conscientemente, o inimigo faz com que elas se envolvam no que é chamado de "Fenômenos Psíquicos". Leva-as a procurar "experiências espirituais", abrindo suas mentes e corpos ao mundo espiritual das trevas que os rodeia. Quando as pessoas procuram cartomantes, clarividentes, feiticeiras e outros, que afirmam com mentira conseguir informação de reino espiritual, elas abrem-se para que o inimigo ganhe mais e mais influência sobre elas.
O "pecado original" refere-se à condição do homem de estar separado de Deus. Leva a "pecados reais", coisas más que as pessoas agora começam a praticar umas contra as outras - como roubo, mortes, mentiras, traição, ódio, egoísmo, etc. E por meio destas más ações, o homem começou a armazenar a culpa que o separou de Deus e, ainda mais: deu a satanás ainda mais direito sobre ele. Este desastre levou o homem a uma queda em duas maneiras:
1º Por que a raça humana desviou-se de Deus - foi separada de Deus
2º Podemos vê-la como a queda do espírito do homem em cativeiro a alma do homem
Assim, o espírito não pode dar à alma nenhuma inspiração ou liderança. Pelo contrário, o espírito está inteiramente sob o controle da alma.
A Terminologia do Pecado

Terminologia ou estudo do termo na gramática, é a palavra considerada na sua significação e uso.
O Antigo Testamento apresenta o pecado através de uma terminologia vasta e variada, que enfoca atitudes do pecador em relação a Deus, conforme as circunstâncias vividas por ele. Estes termos são tão notáveis como o registro de sua História. 1.
 "Chata" (hata) - É a palavra mais característica e significa "errar o alvo". É a palavra hebraica que designa o pecado em geral; O pecador erra o alvo, desvia-se do caminho que Deus coloca diante dele. Através da História Bíblica, este termo é usado para demonstrar tanto a disposição de pecar como o ato resultante; mostrando que o homem se inclina a errar o alvo (Gn.4:7; Lv.4:22,24; 16:21; Sl.1:1; 51:4; 103:10; Is.1:18; 38:17; 53:12; Os.12:8);
2. "Pasha" - Significa transgredir, invadir, ir além, rebelar-se, postergar. O homem forçou, destruiu, foi além dos limites estabelecidos pela justa lei de Deus. O termo é usado pela primeira vez em Gênesis 31:36 e continua a ser empregado nos seguintes textos: Gn.50:17; Ex.22:8; I Sm.24:12; Pv.10:19; Sl.89:32; Is.1:28; 58:1; Os.14:9; Am.4:4). É uma das grandes palavras centrais mais usadas pelos profetas;
3. "Rasha" - Significa ser ímpio, ser solto ou mal ligado; ser ruidoso ou tumultuoso. O significado começa com um problema físico: a pessoa desconjuntada é anormal, cambaleia, balançando a cabeça; no sentido espiritual o pecador também é assim: ele cambaleia, treme e se arrasta (Is.57:20,21; Sl.18:21; Ez.18:27; 33:19; Ml.3:15,18);
4. "Ra'a" - Significa ser mau, quebrar ou danificar por meios violentos. A palavra veio a significar aquilo que causa dano, dor ou tristeza, como o mal moral. Ele causa dano à lei de Deus e as outras criaturas. É o pecado deliberado, positivo, malicioso, medita e planeja danificar; provoca e se enfurece. O termo mais expressivo está em Malaquias 2:1-3, e as outras passagens são: Gn. 2:9,17; 8:21; Ex.33:4; Dt.1:35; II Rs.3:2; Pv.1:16; Sl.10:15; Ecl.5:13; Is.5:20; Jr.11:11; Jn.1:7,8;
5. "Avah" - Significa ser perverso; entortar ou torcer a lei de Deus; andar pelo caminho tortuoso em oposição ao caminho reto de Deus. O pecador tem dentro de si aquilo que o torna torto ou perverso em seus pensamentos, propósitos, desejos, caminhos (Gn.15:16; Ex.20:5; Lv.26:40; I Sm.3:14; Jó 20:27; Sl.32:2,5; Is.50:1; Jr.2:22);
6. "Ramah"- Significa enganar, derribar, prender na armadilha. O pecado faz o mesmo: engana e trata traiçoeira- mente, levando o pecador a agir da mesma forma. Emboscada, dolo, traição. Textos Bíblicos: Sl. 32:2; 34:13; 55:11; Jó 13:7; Mq.6:12; Os.12:1. Em Isaías 53:9, declara que não houve na boca do servo sofredor de Jeová. Ele não tinha pecado;
7. "Ma'al" - Significa transgredir, ser culpado de quebrar uma promessa ou não cumprir a palavra; envolve infidelidade e traição. Deus dotou o homem com um alto privilégio e uma solene responsabilidade, que ele violou. Às vezes significa que o homem planeja a traição, ou a quebra de sua palavra contra Deus e sua elevada vocação. Algumas passagens que encontramos este termo que nos textos é traduzido por transgredir ou prevaricar (faltar ao dever - Lv. 16: 16,21; 26:40; Nm.5:6; 31:16; Dt.32:51; II Cr.26:18; 29:6);
8. "Pathah" - Significa seduzir; ser aberto. O coração e a vida abrem-se para coisas externas, especialmente para as más. O pecador é enganado com facilidade e engana a outros (Dt.11:16; Jó 31:27; Sl. 76:36; Pv.1:10; 16:29; Os.7:11);
9. "Kasal" - Significa ser carnudo e gordo, insensato, tolo. O pecador é vagaroso em aprender as coisas, é brutal e persistente no pecado (Pv.13:16, 20; 18:6; 23:9; 26:5,6; Ecl.5:3; 10:12);
10. "Nabhel" - Significa pingar ou secar; origina ser o pecador seco, insensível ou tolo. O pecado resseca na mente do pecador; o pecador é obtuso e bronco em relação às coisas de Deus (Sl.14:1; 53:1; 74:18; Dt.32:6, 21; Is.32:6);
11. "Tame" - Significa mergulhar, ser manchado ou poluído (impuro), como resultado da imersão; ser moral e religiosamente imundo, manchado, profano, impuro. O pecador mergulhou na imundície do pecado e é impuro, manchado (Nm.5:13-29; Sl.103:39; Is.6:5; Jr. 2:23; Os. 5:3; 6:10; Ez.22:3-5);
12. "Ba'ash" - Significa cheirar mal e ser ofensivo, mal, ímpio ou mostrar-se mau e odioso. O pecador é odioso, faz-se odioso e mostra-se odioso, porque mergulhou na imundície do pecado (Ex.7:18; I Sm.13:4; II Sm.16:21; Pv.13:5);
13. "Amal"  - Significa trabalhar, ser miserável, estar em dificuldades, em miséria. Por tudo que o pecador é ou faz recebe apenas trabalho e miséria, almejando algo que nunca poderá satisfazer a sua alma (Jó 3:20; 14:1; Jr.20:18). A passagem clássica é Isaías 53:11, em que o trabalho do servo sofredor satisfará a Deus e assim fará provisão para tirar de sobre as almas dos pecadores o lóbulo que causa o pecado. Outros textos: Ex.2:11; Dt.26:7; v.16:26).
Geraldo Leupizzi é formado em História e Filosofia
Autor: Pr. Geraldo Leupizzi

Nenhum comentário:

Postar um comentário